Qual o papel do Marketing Político?

10/11/2020

Estamos em ano de eleições municipais e, com isso, o marketing político começa a aparecer com bastante força. De fato, essa estratégia gera resultados que fazem toda a diferença para os cidadãos, os quais vão às urnas para elegerem seus novos representantes.

De acordo com os dados do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), as eleições de 2020 ultrapassaram o número de candidatos inscritos, totalizando 533.097 pessoas. Em relação a 2016 – última eleição municipal – esse número teve um aumento de aproximadamente 5%, o que leva à conclusão que as eleições para esse ano têm o maior número de candidatos até hoje.

Diante desse cenário, o marketing passa a ser uma necessidade, uma vez que todos buscam se diferenciar e vencer a concorrência, mostrando ao povo quais são seus valores, perspectivas, visão em relação à sua cidade e também suas promessas.

Para que você entenda melhor os impactos do marketing político, preparamos um conteúdo completo sobre o tema, para que você compreenda qual o papel deste método de propagação de ideias. Confira!

O que é marketing político?

Antes de tudo, você precisa saber exatamente o que é o marketing político, onde ele se aplica, quais suas características e resultados.

Segundo o blog de Neil Patel, o marketing político pode ser definido como “um conjunto de atividades que visam trazer uma percepção positiva e gerar relacionamentos entre eleitores e organizações, pessoas públicas ou projetos.”

Ou seja, essa estratégia consiste nas atitudes demandadas pelos candidatos, a fim de haver uma interação e troca de conhecimentos entre as pessoas. É, de fato, um diálogo entre o povo e os representantes.

Dentre os objetivos deste conjunto de atos e ideologias, estão:

  • Conquista do apoio popular;
  • Propagação de ideias e valores correspondentes ao desejado cargo;
  • Demonstração de propostas e promessas em benefício do povo;
  • Diferenciação em relação à concorrência.

Resgatando os dados trazidos no início deste artigo, este ano há um número bastante grande de candidatos para os cargos, o que significa uma alta concorrência, um número gigantesco de campanhas e propostas, bem como ideias e promessas.

Por isso, ainda mais do que nos outros anos, cabe ao marketing conquistar resultados efetivos para o candidato em questão, perante tamanha concorrência – talvez a maior de todos os outros anos eleitorais.

Entretanto, apesar de ser um dos objetivos, é importante que você não confunda o marketing político da campanha eleitoral, que mesmo sendo conceitos parecidos, não são a mesma coisa. Entenda essa diferença.

Marketing Político X Campanha eleitoral

De modo geral, o marketing político ultrapassa o período de campanha eleitoral, que gira em torno de apenas um mês, ou alguns dias. 

As principais diferenças entre esses conceitos são:

Campanha eleitoral

Apesar de também ser a propagação de ideias e valores do candidato – alinhada ao partido em que ele está inserido – a campanha eleitoral acontece por um curto período de tempo e tem um objetivo específico: a conquista do maior número de votos possível, para que a pessoa em questão consiga o cargo desejado. 

Assim, são divulgadas propostas – justificativas para elas – promessas de melhorias e projetos em andamento, bem como experiências anteriores do candidatos e suas atuações em prol dos habitantes do município.

O foco está na prospecção de apoiadores que depositarão seu voto no candidato.

Marketing político

O marketing político, em contrapartida, trata-se do conjunto de estratégias que serão aplicadas durante todo o mandato do candidato.

Sendo assim, os atos em questão não acabam após as eleições, pelo contrário, passam a ser ainda mais desenvolvidos durante a atuação do governante. No geral, esse tipo de marketing busca manter a imagem do político, seus ideais e princípios, bem como divulgar tudo o que está sendo feito durante o período. 

O objetivo do marketing político é a longo prazo, ao passo que o objetivo da campanha eleitoral é a curto prazo.

O marketing político digital

Outro ponto interessante de ressaltar é o marketing político digital: a aplicação dessas estratégias no âmbito moderno. Esse é um meio que tem crescido muito, por conta dos canais de comunicação digitais e online em ascensão.

De acordo com o site Academia de Marketing, a popularização desse método se deu em 2008, na campanha de Barack Obama, nos Estados Unidos. Todavia, os últimos anos nunca evidenciaram o tamanho da força dos meios digitais para a realização de ações de marketing digital político.

Na maioria das vezes, as redes sociais não são utilizadas exatamente para a prospecção de votos, mas sim para o compartilhamento dos valores e ideais trazidos por determinado candidato, em uma espécie de “militância” e luta por algumas questões e direitos.

Sendo assim, uma tendência será a proliferação cada vez maior dos influencers digitais, os quais têm uma voz cada vez maior entre o povo. Esses – que podem ser considerados uma parte do marketing político digital – são os responsáveis pela divulgação e impulsionamento dessas ideias, para públicos distintos e variados.

Assim, para as eleições de 2020, já está sendo observada essa predominância nos meios digitais, a qual tende a aumentar já nas próximas eleições, e ainda mais e com o decorrer dos anos.

Quem pode realizar esse trabalho?

Por fim, se a sua pergunta é “quem é que faz e executa as estratégias de marketing político?”, vamos respondê-la para você.

No geral, são os profissionais de marketing os responsáveis pelo desenvolvimento das estratégias e métodos de abordagem. 

Geralmente, os próprios candidatos – ou partidos – contratam as pessoas que cuidarão da campanha de marketing político e de outras ações durante o mandato, sendo na maioria das vezes uma agência de marketing (ou publicidade) inteira.

Porém, o profissional que fará o marketing precisa ter algumas características, para que os resultados sejam de fato visíveis. São elas:

  • Transparência e honestidade: se você está pensando em trabalhar com isso, não aceite comunicar propostas que não correspondem à realidade. Ou seja: não minta em relação às promessas dos candidatos! Para ser um profissional excelente e correto, aceite trabalhar com candidatos também corretos; esses sim serão excelentes!
  • Múltiplas plataformas: como já comentamos, o marketing político digital é uma tendência. Porém, a comunicação não deve acontecer apenas nesse meio. Como profissional, busque estar presente em várias plataformas!
  • Táticas de branding inovadoras: o chamado “branding” diz respeito a uma marca. Divulgando um candidato, você automaticamente está propagando uma marca! Sendo assim, os cuidados e estratégias devem ser alinhados a isso. Busque manter uma imagem saudável e procure buscar táticas inovadoras de branding, para que a concorrência fique para trás!

Lembre-se: bons profissionais do marketing político são sinceros, comprometidos, inovadores, proativos e bem preparados! É importante que haja um conhecimento bastante denso para o exercício dessa função, por isso, as pós-graduações são bons caminhos!

Se você está trabalhando com isso – ou pretende trabalhar – invista em bons cursos de marketing. Você pode concluir uma pós-graduação em um curto período de tempo, inclusive!

Aproveite a Black Friday UniBF e escolha o melhor caminho para o futuro!

No mais, nos despedimos por aqui. Se você ficou com alguma dúvida, entre em contato conosco!

Quer falar conosco?

Entre em contato conosco através do nosso Chat Online aqui no nosso site; pelo WhatsApp , ou nas nossas Redes Sociais: Facebook e Instagram.

icon icon icon icon

Nossos contatos

E-mail
icone contato@unibf.com.br

Cadastre seu e-mail

Esta página faz uso de cookies para melhorar o seu desempenho e funcionamento do nosso site. Utilizando os cookies, estamos coletando e armazenando temporariamente alguns dados pessoais. Para mais informações, disponibilizamos nossa Política de Privacidade e Termo de Uso.